Hoje eu venci

Por Leandro Uchoas

Hoje chegou ao fim um longo processo na Justiça contra o Comitê Olímpico. Eles tinham me dado o calote na devolução de um bom dinheiro de alguns ingressos que eles mesmo disseram que iriam devolver. Foram 15 meses de luta, no Procon e no Tribunal. Venci e ainda ganhei “dano moral”, o que é apenas retórico, porque ninguém pode causar dano moral nas pessoas ilibadas. Nenhum homem, nenhum país, nenhuma corporação. Quem tem a ética como guia segue impoluto por todos os seus dias.

Felizmente, ganhei a indenização num momento em que precisava muito dela.

Durante esse período, foram ao menos quatro audiências em que o Comitê não compareceu. Nestes meses, o presidente do COB (Nuzman) foi preso, e se descobriu um imenso esquema de compra de votos para as Olimpíadas – o que, é bom que se diga, não envergonha somente os brasileiros, mas todos os mercadores do esporte, fartos no mundo. Neste período, muitas jogadoras de futebol abandonaram a seleção brasileira feminina – que iria atuar no jogo para o qual comprei os tais ingressos. Isso porque a treinadora foi demitida. Emily foi a primeira mulher a treinar a seleção feminina.

Tem mais. Para ganhar esse processo, esperei muitas vezes em bancos públicos. No Procon, devo ter ido cerca de 10 vezes, esperando muito, especialmente nos momentos em que ele atuava com 1/3 dos funcionários por conta da greve da categoria, após a falência do governo do Rio. No Tribunal de Justiça, na segunda fase, sofri com informações desencontradas, com unidades que funcionam em tempo reduzido, e com uma advogada que foi embora duas vezes “porque não tinha ninguém para atender”. E até mesmo no Banco do Brasil, onde fui reivindicar o repasse hoje, só fui atendido porque, esperando 40 minutos na fila, eu fui ao gerente e disse: “eu quero que você me dê as orientações sobre como e a quem reclamar o meu direito de esperar no máximo 20 minutos, que é lei”.

No entanto, lutei contra as ações de toda essa gente. E hoje eu venci esse bando de homens-robô, que infelizmente ainda não têm por este país o mesmo amor que eu cultivo por ele. Amanhã ou depois, sofrerei novas derrotas na vida, como é normal. Mas hoje eu venci todos eles. Esse país é lindo, e tem um povo muito interessante. Segundo a literatura espírita e espiritualista, esse país tem um nobre destino. No entanto, imerso em uma história de opressão e corrupção, esse país ainda sofre uma gigantesca crise ética, que é muito maior do que as crises econômica, política e ambiental. Contra essa crise ética eu lutei ontem e hoje, e lutarei amanhã. Se você leu até aqui, sei que estará lutando comigo. E se estamos juntos nessa luta, um dia também vamos vencê-la. E se não vencermos, ao menos lutamos. Celebremos.